Posts com Tag ‘telergia’

Ectoplasma emanando pelo nariz

Ectoplasmia é um vocábulo que deriva do grego ectos = fora e plasma = coisa formada ou modelada.

Ectoplasma é uma massa mais ou menos  informe, gelatinosa, esbranquiçada, que sai do corpo dos médiuns, ou melhor, das pessoas parapsicologicamente dotadas. portanto, ectoplasmia designa o fenômeno, ectoplasma a substância.

Ectoplasmia é uma exteriorização e condensação de telergia, mais ou menos moldada, capaz de produzir figuras como seja uma mão rudimentar ou figuras humanas. Segundo o parecer de todos os especialistas, é uma energia transformada, a julgar pelas suas variadíssimas funções. O ectoplasma emana do dotado e nele, depois, se reabsorve, uma vez que se forma do corpo do dotado. É como uma prolongação do corpo e da sensibilidade da pessoa em questão.

Ectoplasma envolvendo a dotada parapsicologicamente

                                                                     FRAUDES

Como em todo fenômeno dessa natureza, deve-se primeiro ter o cuidado de excluir completamente a fraude.

Talvez o maior trucador em ectoplasmia tenha sido o médium espírita Ladislas Lassio, natural da Hungria. A médium escocesa Helena Victoria Duncan era considerada pelos espíritas como uma das melhores provas da intervenção dos espíritos do além. Sua especialidade era a ectoplasmia.

Acontece, porém, que o especialista em ilusionismo Harry Price descobriu todo truque, assim a médium caiu do seu pedestal. Tratava-se de regurgitação. Era ela capaz de expelir em parte e reabsorver, no estômago e no esôfago, sem nenhum espasmo  de vômito, as substâncias ingeridas. Aliás uma qualidade rara, que supõe muito treinamento até dar certo.

As técnicas e os instrumentos de truque para produzir ectoplasma são muitos: Tecidos de seda e musselina, gaze de diversos tipos, pulmões de animais, até mesmo cordões umbilicais e intestinos de animais tem-se usado, por incrível que pareça. Um tecido especial de “seda” japonesa de 1,3 cm³ de volume pode formar um balão de cinco metros de diâmetro. Devido ao exíguo volume torna-se fácil esconder esse material de truque em alguma cavidade do corpo humano. As possibilidades de truque, neste particular, são enormes.

                                             SEMELHANÇAS NO MUNDO ANIMAL

Diga-se de passagem que no mundo dos animais observamos diversos fenômenos que lembram a ectoplasmia. Assim, por exemplo, algumas aves de rapina da Venezuela, da família das catárdidas, durante a digestão, emitem pelas narinas um líquido viscoso, esbranquiçado, que se assemelha ao ectoplasma.

Algo parecido se dá com os protozoários. As amebas emitem, do seu corpo celular, pseudópodes; lançam-nos contra suas presas…depois absorvem-nos de novo no seu corpo.

                                          ECTOPLASMIAS AUTÊNTICAS

Eva Carrère foi talvez a dotada que mais se distinguiu na ectoplasmia pura. Foi estudada pelo Dr. Schrenck-Notzing e pela Senhora Bisson. Para evitar toda e qualquer fraude foi adotado o maior rigor possível no controle. Nos anos de 1909 e 1910 saía do corpo de Eva uma substância acinzentada, meio branca em bastante quantidade. Houve ectoplasmias notáveis. Cerca de duzentas pessoas, entre elas as mais céticas e os melhores especialistas neste tipo de investigações, foram convidadas a assistir às sessões, ficando convencidas da autenticidade de muitas ectoplasmias.

Não se nega, evidentemente, a possibilidade e mesmo algum fato de algumas fraudes, em ocasiões em que o controle foi algum tanto negligenciado.

Também Eusápia Palladino produziu, em plena luz, e sob as melhores condições de controle verdadeiras ectoplasmias. E quando o fenômeno não se manifestava lançava de truques, para salvar as aparências.

Experimento sendo realizado com Eusápia palladino
Ectoplasma nada mais é que exteriorização e condensação de telergia mais ou menos moldada

O dotado Willy Schneider foi estudado pelo Dr. Schrenck-Notzing nos anos de 1922 e 23, em Munique. Associaram-se a essas investigações, 24 professores universitários, 18 médicos, 19 cientistas, além de um perito em mágicas. Esteve presente também o Dr. Gustavo Gelley, diretor do “Institut Metapsychique International” de Paris e o Dr. Eric J. Dingwall, cético e excelente parapsicólogo. Todos eles ficaram convencidos da autenticidade das manifestações ectoplasmáticas.

A sala era iluminada com suficiente luz vermelha. Willy estava seguro por dois controladores; além disto seus braços e joelhos estavam munidos de pontos fosforescentes que delatariam qualquer movimento. Willy durante o transe ficava na mais absoluta imobilidade. Os 94 investigadores excluíram todo e qualquer tipo de fraude, tal era o rigor do controle.

Willy foi encerrado numa caixa de gaze, com uma única e estreita abertura, por onde seguravam suas mãos. Fora da caixa de gaze colocavam-se os objetos a movimentar, a um metro e meio de distância. Nessas condições saíam da boca, das costas e do epigástrico de Willy formações ectoplasmáticas que, junto ao corpo do dotado, tinham a forma de cordões, e à medida que iam avançando adquiriam a forma de hastes  e, na extremidade, a forma de mãos rudimentares. Esses ectoplasmas por vezes eram visíveis, outras só se percebiam mediante o tato, apesar da dor intensa que então Willy manifestava com seus gritos. O ectoplasma não atravessava a gaze, mas saía serpenteando e apalpando as mãos dos controladores pela estreita abertura. O ectoplasma realizava pequenas telecinesias, mais raramente com um objeto mais pesado, como seja: certa feita foi transportada uma vitrola de sete quilos e meio de peso. Em algumas ocasiões o ectoplasma atravessou a parede de gaze, fazendo soar depois uma vitrola… Willy, entretanto, permanecia completamente imóvel. Todas as testemunhas qualificadas depuseram, que o fenômeno se deveu a uma projeção de ectoplasma sólido que partiu do lado direito das costas de Willy, em forma de haste fina. O levantamento dum lenço, por movimentos enérgicos, permanecendo no ar por três ou quatro segundos, foi outro fenômeno claramente observado naquela ocasião. O célebre escritor Thomas Mann, que se achava presente nessa determinada sessão observa: “Pensar em truque é um absurdo… não havia absolutamente ninguém para fazê-lo”.

Ectoplasma realizando a telecinesia em uma mesa

Nas experiências em série, realizadas pelo Dr. Crawford, verificamos também o ectoplasma a manifestar-se em forma de alavanca, como em certos casos com Willy Schneider, em figura de haste.

Tanto a alavanca de Crawford, como a haste de Willy apresenta mil formas diferentes e desempenha os trabalhos mais diversos. A alavanca se curva, se inclina, serpenteia, dobra-se dirige-se a um lado ou a outro, estreita-se, alonga-se, de acordo com as exigências do caso.

É claro que o polipsiquismo do grupo pode contribuir muito para o sucesso mais espetacular do fenômeno.

O leitor desejoso de aprofundar esse assunto para sua orientação científica ou ideológica recorra aos dois volumes “As forças Físicas da mente” de ). Quevedo. Aduzi alguns fenômenos dos médiuns acima, por pertencerem ao rol dos mais invocados pelos espíritas, e por outra, serem dos mais bem estudados pelos especialistas no ramo.

FONTE: Trecho do livro “Panorama da Parapsicologia ao alcance de todos – Edições Loyola”

Anúncios

O aporte existe e é relativamente freqüente. Depende do homem e é produzido pela sua telergia. Pode-se até fazer a análise do que o inconsciente quer manifestar com esses fenômenos: desejo de chamar a atenção, de vingança, de comunicar uma notícia desagradável ou um perigo que adivinha, manifesta carência afetiva, inveja, etc.

Mas como é que a telergia realiza o aporte? Ou seja, como é que a telergia faz objetos atravessarem sozinhos, corpos e obstáculos sólidos e depois fazer com que os objetos aparecerem novamente? Como é que um objeto pode sair de um lugar fechado e aparecer fora dele? Como é que um objeto se desloca sozinho de um lugar para outro? Como é que agulhas podem se desmaterializar, e em forma de energia entrar no corpo e logo materializar-se de novo? Sem infecção, sem ferida, sem perigo… E a vítima corre, caminha…sem dor? Nenhum fisiólogo seria capaz de fazê-lo artificialmente.

No entanto não há impossibilidade na física moderna. O problema é prático.

Uma tentativa de explicação:

1) Trata-se de um efeito físico: um corpo físico em movimento no espaço-tempo e através de obstáculos físicos.

2) A extensão dos corpos (macroscópios, visíveis) é devida a velocidade em movimento circulatório das partículas que os constituem (em função de três variáveis: massa, energia e vetor velocidade)

3) É pela maior ou menor velocidade das suas partículas que os objetos são mais ou menos extensos e que nos dão a ilusão de continuidade.

4) Mas os corpos, na realidade profunda, são como redes de partículas microscópicas (massa-energia).

5) A massa (quantidade de matéria, coeficiente de inércia) é mínima em relação à energia e velocidade.

6) Ora, todo corpo é permeável para qualquer forma de energia e velocidade superiores à sua. Por exemplo, o magnetismo: a energia radiante do campo eletro magnético atravessa qualquer campo porque tem a velocidade da luz (300.000 km/s) que é superior à velocidade molecular (27.000 km/s) dos corpos atravessados.

7) Mais ainda, a própria massa dos corpos em movimento varia com a velocidade, segundo um dos teoremas da teoria da relatividade de Einstein.

8) Também está demonstrado por experiência de laboratório (desintegração de átomos, etc) que a massa pode se transformar em energia.

9) Se a velocidade de um objeto supera a velocidade molecular, então esse objeto desintegra-se, porque vence a força de atração das partículas que o constituem.

Tendo-se tudo isto em vista, o aporte seria explicado teoricamente pelo influxo do homem na velocidade. O doente parapsicológico poderia exercer um influxo dentro do seu campo de forças, em forma de energia neuropsíquica (dinâmica cerebral) sobre a velocidade e atração das partículas (ou moléculas) que constituem os objetos.

Cabem três hipóteses:

a) O doente parapsicológico imprime ao objeto do aporte velocidade superior à das partículas que constituem determinada área do obstáculo: o objeto atravessa então esta área do obstáculo.

b) Transforma a massa do objeto em energia: o objeto “desaparece” e a sua energia atravessa qualquer obstáculo.

c) Exerce o influxo em determinada área do obstáculo, diminuindo ou neutralizando (durante um décimo de segundo), a velocidade molecular: essa área do objeto ficaria praticamente sem massa, permeável.

Estátuas de Virgens que choram e de Cristos que sangram

 Foram ou não, realmente Milagres, os fatos relatados sobre imagens das virgens que choram e Cristos que sangram?

Certamente Não.

Jamais uma estátua de Virgem chorou ou um crucifixo sangrou estando a mais de 50 metros de distância de alguma pessoa. Geralmente a menos de três ou quatro metros de um doente parapsicológico.

São lágrimas e sangue desta pessoa.

Na cidade de Akita (Japão), ninguém ligaria para as pretensões de uma religiosa de 40 anos, quando assegura receber mensagens da SS. Virgem. Mas o fato que deixou perplexo ao senhor Bispo, ao capelão, à comunidade, aos “técnicos” em mística.É que uma estátua da SS. Virgem, perante aquela pessoa, às vezes sangra numa mão, chorou várias vezes e até tem suado profundamente. Analisados por um professor da Universidade de Akita, verificou-se que eram sangue, lágrimas e suor humanos.

Unicamente o jesuíta Pe. Antonio G. Evangelista me consultou e compreendeu que a história cheia de fenômenos histéricos e parapsicológicos da “vidente” é um forte argumento a favor da origem meramente parapsicológica do fato.

“Não foi fraude. São muitos e dignos de fé os testemunhos. Inteligentemente acha, com toda razão, um dado psicológico interessante: é que a vidente está sempre por perto quando acontecem estes fenômenos e sente medo, como senso de culpabilidade.”

Lastima porém, que não analisaram as lágrimas, sangue e suor da própria vidente. Seriam sem dúvida, do mesmo tipo que as gotas que corriam sobre a imagem as SS. Virgem.

O que vem causando maior desafio, sem dúvida, é o de N. Sra da Rosa Mística, em Louveira(SP), que chamou a atenção do arcebispo de Jundiaí, o qual procurou peritos da Universidade de Campinas (UNICAMP) para estudarem o caso.

Várias vezes a estátua lacrimejou e não somente no dia 13 de cada mês.

Os técnicos da Unicamp estão querendo tomar o caminho mais plausível: transladar a imagem para os laboratórios da UNICAMP, onde haveria recursos para maior rigor no acompanhamento científico do fato.

Feito isso, o caso estaria praticamente solucionado e o fenômeno certamente deixaria de acontecer, pelo menos enquanto a imagem estivesse na UNICAMP, pois ela estaria a mais de 50 metros da pessoa causadora do fenômeno.

É realmente admirável, mas a realidade é que o ser humano, inconscientemente, sem nem sequer suspeitar que ele mesmo é o autor, pode fazer com que um objeto atravesse qualquer obstáculo e apareça de novo.

Agulhas atravessam a própria pele sem ferida, o sangue sai do corpo, passa pela roupa sem manchá-la, e cai sobre o Cristo. Os objetos (copos,talheres, etc) atravessam paredes, vidros, madeiras, sem rompê-los, e de novo aparecem repentinamente do outro lado, a uns metros de distância. O fenômeno é chamado Aporte, em Parapsicologia.

Em Itu (SP), dentro de uma urna de madeira e vidro, chorava um santinho de N. Sra Aparecida, e sangrava abundantemente, uma estatueta de Cristo.

Foi muito fácil verificar que o aporte era realizado por Dona Hermínia, a dona da casa. Nem a virgem chorou, nem o cristo sangrou quando Dona Hermínia estava longe.

Estando ela a bem menos de 50 metros, suas lágrimas e seu sangue chegavam ao santinho e à estátua através da parede, ou da porta fechada, através da madeira e do vidro da urna que eu mesmo tinha lacrado. Eram mesmo lágrimas de Dona Hermínia: o mesmo fator RH, o mesmo número de glóbulos brancos e glóbulos vermelhos…como verificamos depois.

Escolhi alguns dos muitos caso sem ambiente religioso. É claro que há casos análogos em todos os ambientes. No Brasil se fez famoso o caso do pôster de D. “Santinha” (Maria das Neves Marques). Sobre a fotografia da defunta e perante toda classe de testemunhas, escorriam lágrimas. Eram lágrimas mesmo. O fenômeno começou quando a dona da casa D. Maria das Neves Medeiros, no quarto onde estava a fotografia da mãe, contava um sonho que tivera a respeito dela. Logo muitas pessoas vieram com explicações mirabolantes como por exemplo: os mortos estariam se comunicando.

 Será necessário lembrar que os mortos não tem sangue dos vivos???

Um detalhe importante em todos os casos de aporte (e para qualquer fenômeno parapsicológico de efeito físico): afastem da casa, a mais de 50 metros, todas as pessoas; e encham a casa de filmadoras, gravadores, máquinas fotográficas automáticas, sensores de movimento, sensores de calor, etc…NADA ACONTECE.

É absolutamente necessário a presença do ser humano. Porque é a sua Telergia, a sua energia corporal transformada e exteriorizada (dirigida pelo inconsciente) a responsável pelo fenômeno aqui e agora. Não age sobre o passado, nem no futuro.

Oscar G. Quevedo S.J

   Se alguém lhe pedisse a definição de energia, como você a definiria?? Se você tiver uma certa dificuldade em definir essa palavra tão usada no nosso cotidiano, não se preocupe pois até a nossa avançada ciência esbarra nessa mesma dificuldade. É bem difundida a ideia de que energia está sempre associada a capacidade de realizar determinada ação, então podemos de maneira simplificada definir que Energia é a capacidade de produzir um  trabalho.

   Os diversos “tipos” de energia estão sempre baseadas na forma como essa energia se manifesta, por exemplo existe a energia radiante emitida pelo sol (Energia solar) que age aquecendo (energia Térmica) e iluminando (energia luminosa) o nosso planeta. também podemos citar a energia química que é proveniente dos alimentos e nutre todos os seres vivos; a energia elétrica, a energia mecânica, a energia eólica, a energia nuclear, etc.

Uma outra característica, é que para a realização de um determinado trabalho ou determinada ação sempre ocorre a transformação de uma forma de energia em outra. Por exemplo, quando você aciona o seu liquidificador está ocorrendo uma transformação de energia elétrica em energia mecânica (Energia do movimento).

   E então, afinal, o que é telergia?

   A palavra foi proposta por Myers (co – fundador da Sociedade de Pesquisas Psíquicas de Londres) que segundo a etimologia  tele=longe, ergon=trabalho. Telergia é portanto uma energia fisiológica exteriorizada de maneira invisível pelo corpo de um dotado e transformada para realizar fenômenos parapsicológicos.

   Hoje se sabe que o organismo humano produz correntes elétricas, e consultando a Física, sabemos que onde existe corrente elétrica existe ali um campo magnético. Nas pessoas normais essa telergia é normalmente imperceptível, mas em pessoas dotadas parapsicologicamente  em estado de transe podem manifestar essa telergia acima do normal.

   A telergia é um efeito de uma psicorragia, ou seja, da mesma forma que uma dissociação de um tecido corporal produzirá hemorragia(perda de sangue), uma dissociação psíquica acarretará uma perda de forças psíquicas, ou seja uma psicorragia. A telergia é a forma da energia emanada pelo corpo do dotado através dessa psicorragia.

   Estudos em laboratório realizados pelo russo Dr. Yourevitch constatou que a telergia é uma força material e com uma esplêndida capacidade de penetração na matéria. Os estudos mostraram que a telergia emanada do corpo de alguns dotados atravessava placas de chumbo de três centímetros de espessura, colocadas a distância de um metro do dotado em transe, constatando-se um poder de penetração superior aos dos raios-x tão bem utilizadas pela medicina.  É importante lembrar que nesse mesmo experimento, quando colocadas placas de chumbo mais espessas, ou  a uma maior distância do dotado, a telergia não foi capaz de atravessá-las, chegando-se a conclusão que a telergia é física e não tem nada de espiritual, pois provou-se que ela respeita “obstáculos ” físicos.

   Então se você já ouviu falar, por exemplo,  de casas assombradas por batidas, vozes, objetos que se movem sozinhos, aparição de “fantasmas” etc. acredite: a única e exclusiva culpada é a tal da TELERGIA.

   ps:  Os fenômenos citados no posts serão detalhados posteriormente.